Dilma aos blogueiros: “é minha absoluta obrigação resistir; vou lutar contra isso até o fim, e ganhar”

“Eles montaram um ministério de velhos, ricos e brancos. Sem negros, e sem mulheres. Quem dá as cartas é o Cunha”. por Rodrigo Vianna Passava das cinco da tarde, e este blogueiro que acabara...

“Eles montaram um ministério de velhos, ricos e brancos. Sem negros, e sem mulheres. Quem dá as cartas é o Cunha”.

por Rodrigo Vianna

Passava das cinco da tarde, e este blogueiro que acabara de se instalar no hotel, no centro de Belo Horizonte, ouve ao longe a voz que berra no megafone: “tchau, querida”, “fora, petralhas”. O tom é de cafajestice e deboche.

A massa de apoiadores de Michel Temer...
A massa de apoiadores de Michel Temer…

Caminho, então, até a janela; e lá embaixo observo o ridículo grupo vestido de amarelo, postado em frente ao hotel. Dos carros que passam, surgem gritos contrários: “golpistas, amigos do Cunha”.

Aos poucos, uma pequena multidão de vermelho se planta do outro lado da avenida Afonso Pena.

Parece que os trouxinhas perderam a rua... Mais de 10 mil pessoas receberam Dilma
Parece que os trouxinhas perderam a rua… Mais de 10 mil pessoas receberam Dilma

Inicia-se a troca de ofensas.

Os dois grupos estavam ali no aguardo da primeira aparição pública de Dilma Rousseff, depois do afastamento dela pelo Senado.

Às 19horas, o grupo de amarelo se retira, até porque ficara em minoria esmagadora quando uma passeata de apoiadores da Democracia chega ao local. Os coxinhas (agora chamados de “trouxinhas”, pelo fato de terem sido usados pelo PMDB de Cunha/Temer) não empolgam. O outro grupo, em compensação, não para de crescer.

Quando Dilma chega ao hotel, para participar do Quinto Encontro de [email protected] e Ativistas Digitais, a multidão já tomava conta das duas faixas da avenida. Entre 10 mil e 20 mil pessoas se aglomeravam – numa demonstração impressionante de persistência, depois do início arrasador do governo golpista de Michel Temer.

Dilma desce do carro por volta de 20h15, e decide caminhar em direção ao povo. A equipe de apoio dela agora é pequena: desde que foi afastada, tem apenas 4 seguranças à disposição. Quem garante a segurança e a estrutura, ali no meio da rua, é o movimento social.

A presidenta se emociona com a multidão: chora, mas logo retoma o controle, para discursar rapidamente, agradecendo o apoio.

20160520_203321Lá dentro, mais de 500 pessoas já haviam iniciado o encontro de blogueiros. Energizada pela rua, Dilma parece leve quando entra no hotel e pisa no palco do anfiteatro lotado. Sorri muito, carrega crianças no colo e é recebida numa atmosfera de emoção.

20160520_202706Na platéia, as mulheres são maioria – como tem ocorrido em tantos atos de resistência contra o golpe parlamentar. Há militantes negras, portadoras de deficiência, além de homens e mulheres com bandeiras multicoloridas do movimento LGBT. A meu lado, uma jovem ergue bem alto o cartaz: “somos todas Vana” (alusão ao sobrenome menos usado por Dilma).

Antes da presidenta, fala Renata Mielli, dirigente do FNDC (Forum Nacional de Democratização da Mídia). Ela destaca os interesses internacionais envolvidos no golpe, que chega para sabotar a integração latino-americana e os BRICs. E afirma: “Talvez esse golpe seja ainda mais terrível que o de 64, porque se desenvolve sob a máscara da legalidade. Voltamos ao governo dos homens ricos, de terno preto”.    

O ministro Patrus Ananias (PT), ex-prefeito de BH, lembra a mobilização dos mineiros contra o golpe: “Quando Minas se levanta, o Brasil se levanta. Começamos hoje a jornada para levar Dilma de volta à presidência”.

O microfone então passa para Dilma. A presidenta parece liberta daqueles discursos cheios de números e explicações burocráticas. Ela fala de improviso, mas logo para quando observa a poucos metros uma mulher chorando, na frente do palco. E diz: “é isso mesmo, bobeou a gente chora; eu mesmo acabo de chorar vendo a multidão ali na rua”.

Dilma fala com emoção, firmeza, e um surpreendente bom humor. Mas não foge das questões duras. Volta a chamar o golpe pelo nome: “o governo provisório é produto de um golpe. É provisório porque é ilegítimo. Não é produto do desejo popular”. E crava mais uma vez: “eles montaram um ministério de velhos, ricos e brancos. Sem negros, e sem mulheres”. A platéia se encanta com essa Dilma mais política e menos tecnocrática.

A fala leva mais de quarenta minutos. Na saída, Dilma não dá entrevista para a imprensa convencional – sócia do golpe. Mas vai para uma sala ao lado do anfiteatro, e conversa mais meia hora com um grupo de blogueiros. Este escrevinhador estava lá.

Dilma não fala com a imprensa golpista, mas conversa com os blogueiros numa roda informal
Dilma não fala com a imprensa golpista, mas conversa com os blogueiros numa roda informal

Ela volta a apontar o dedo de Eduardo Cunha como coordenador do governo golpista: “esse golpe tem endereço, telefone, impressão digital, e foto 3×4”. Ou seja: é um golpe que produziu um “governo provisório” (Dilma repetiu pelo menos 5 vezes essa expressão) completamente rendido a Cunha. “Essa aliança é uma aliança de direita. E não se iludam: quem dá as cartas na liderança do governo, e em vários postos, pra não dizer até mesmo no núcleo duro do governo, é ele [Cunha]”.

Dilma reafirma que tem fé numa reviravolta no Senado. “É minha absoluta obrigação resistir. Vou lutar contra isso até o fim. E ganhar. Só lutar, não. Ganhar!”

Perguntada por um blogueiro sobre a intimação do STF, para que explique por que tem usado a palavra golpe, Dilma foi irônica: “gostei muito, vou fazer um grande esclarecimento (risos); além disso, ninguém pode impedir ninguém de falar em golpe”.

 


Warning: include(/home/rodrigovianna/public_html/_ad/post-full-footer.php): failed to open stream: No such file or directory in /home/rodrigovianna/public_html/wp-content/themes/goodnews/lib/template.php on line 2367

Warning: include(): Failed opening '/home/rodrigovianna/public_html/_ad/post-full-footer.php' for inclusion (include_path='.:/opt/cpanel/ea-php56/root/usr/share/pear') in /home/rodrigovianna/public_html/wp-content/themes/goodnews/lib/template.php on line 2367

Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum e recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa e ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa, ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses e 1 camiseta personalizada após 1 ano.





Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.




Join the Conversation

2 comments

  1. Messias Franca de Macedo Responder

    “Olê, olê, olê,
    Ô lá,
    A onda
    começou a
    mudar!”
    [e não somente
    nas ruas…]

    ***

    Racha no governo Temer-Cunha. Governador do PMDB torce para a democracia voltar: ‘Porque se a democracia voltar, Dilma volta’

    sábado, 21 de maio de 2016

    Um governador do mesmo partido (PMDB) do golpista presidente interino do governo provisório que envergonha o Brasil e os brasileiros já deu a senha: um governo medíocre, ridículo e golpista também se combate com ironia, enquanto se luta pela volta da democracia e, com ela, Dilma.
    Governador do menor estado do Brasil, Sergipe, com 0,26% do território brasileiro e pouco mais de 1% da população, Jackson Barreto vocalizou a opinião da maioria dos brasileiros sobre o ministério medíocre e recheado de fichas sujas escolhido pelo governo provisório Temer-Cunha:
    (…)
    Barreto é governador do mesmo estado do atual líder do governo na Câmara, deputado André Moura, que se orgulha de ser chamado de André Cunha (sic).
    “Sabe quem foi condenado na família dele [Moura, ou Cunha – assim como o governo provisório é Temer-Cunha]? Ele, inelegível; a esposa dele, inelegível; o cunhado prefeito de Pirambu; a mãe dele e a irmã também. Todos condenados por improbidade e corrupção! Esse rapaz é o líder do governo. É demais pra mim”, disse.
    (…)
    Jackson Barreto espera que esse pesadelo passe e o Senado acabe corrigindo a besteira que fez, ao ver o desastre a que a dupla Temer-Cunha, com o auxílio do vendilhão José Serra, está condenando o Brasil:
    (…)
    … e, depois de tanta luta, ver a quebra desse processo democrático.Torço para que volte a democracia. Porque se a democracia voltar, Dilma volta”.

    FONTE [LÍMPIDA!: http://blogdomello.blogspot.com.br/2016/05/racha-no-governo-temer-cunha-governador-do-pmdb-torce-pra-democracia-voltar.html

  2. Messias Franca de Macedo Responder

    … E as maldades impiedosas do monstro psicopata TEMERário/TEMERo$o *”não param, não param, não”!
    *parodiando o mantra da nazigolpista/terrorista TV Band(ida) News!]

    $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

    Por moratória, Estados terão de congelar salários e novos concursos públicos

    POR PAINEL
    Meu lado FMI Em reunião com senadores da base, Romero Jucá (Planejamento) antecipou aos aliados que a equipe econômica exigirá contrapartidas dos Estados em troca da moratória de suas dívidas, mantendo as linhas gerais da proposta feita lá atrás pelo governo Dilma. O ministro afirmou no encontro que os governadores terão de se comprometer a não aumentar o salário de seus servidores; reajustar as alíquotas de contribuição previdenciária estadual e não promover concursos públicos.
    (…)

    CACHOEIRA – perdão, ato falho – FONTE [IMUNDA!]: http://painel.blogfolha.uol.com.br/2016/05/21/governo-exigira-que-estados-congelem-salarios-de-servidores-e-concursos-publicos/